O Culto à Personalidade

O Culto à Personalidade

Texto de Rubens Muzio

A sociedade passou por grandes transformações. O homem mudou-se para os centros urbanos,¹ passando a trabalhar e conviver com milhões de indivíduos estranhos a ele. Causar uma boa impressão no ambiente de trabalho, no comércio, na escola e nos seus negócios se tornou mais importante que os laços familiares e a convivência na vizinhança. O mundo contemporâneo foi atraído à conduta externa, socialmente agradável e voltada ao entretenimento. O foco está no teatral, na impressão pública, ou seja, como os outros o veem. As pessoas ousadas, extrovertidas e engraçadas tornaram-se mais populares. O fantástico, o impressionante, o radiante, o dominante, o célebre, o comediante, o brilhante, o extravagante e o divertido são supervalorizados. Alteramos o valor da conduta e da importância do caráter para aquilo que poderíamos chamar de “o culto à personalidade”.

Nesse contexto, os melhores são os mais belos e elegantes, os mais entusiasmados e simpáticos, os extremamente vigorosos e malhados, e aqueles que conseguem manter no rosto, a qualquer custo, um leve sorriso de ator confiante e narcisista. A pressão para projetar confiança, brilho e controle em todas as situações é imensa. Os palestrantes motivacionais bem-sucedidos e preferidos pela sociedade são geralmente falastrões extrovertidos e espertos, comunicadores brincalhões e piadistas profissionais, aqueles que mantêm a todo custo um sorriso “Colgate” e uma melosa música de fundo. Homens de conduta e caráter como um Abraão Lincoln e da integridade e santidade de um Jonathan Edwards e outros cidadãos mais pensativos, introvertidos que evitam os holofotes, cada vez tem menos espaço social.

A invenção da autoajuda se tornou uma das ferramentas mais poderosas no mundo do “culto à personalidade”. Produziu-se uma geração inteira de vendedores, que vendem tudo, desde os produtos tangíveis, mercadorias expostas nas prateleiras, até ideias intangíveis como fama, poder, alegria, amor, amizade, espiritualidade, ilusões, famílias, mulheres e milhares de outros sonhos de consumo e promessas de felicidade. Participantes de cursos, seminários e conferências vorazmente buscam sucesso, felicidade e prosperidade enquanto desfilam animadamente pelas arenas dos grandes hotéis com sacolas cheias de livros, bugigangas e DVDs. “Você está feliz? ”, começa a palestra com entusiasmo logo pela manhã. “Libere seu poder interior”, continua o palestrante em meio a piadas e testemunhos impressionantes. Cercados pelas recepcionistas bem vestidas nos saguões, boa música, telas gigantescas dos dois lados do palco e banners coloridos pelos corredores, milhões de pessoas procuram se sentir melhor, mais animadas, menos deprimidas, menos estressadas, em busca da felicidade e do segredo da vida.

Uma das principais dimensões da vida cristã, por outro lado, é a autoconsciência e capacidade para compreender as áreas fortes e fracas. Albert Einstein confessou que sabia com toda a certeza que ele mesmo não possuía nenhum talento especial; “a obsessão, a curiosidade e a obstinada resistência, combinados com a autocrítica, trouxeram-me para as minhas ideias”.

Devemos buscar uma avaliação mais precisa das nossas qualidades e habilidades. Como o filósofo moral Ralph McInerny nota em um pungente texto, “cada um de nós é limitado em formas aparentemente ilimitadas”.² Devemos reconhecer que mesmo o mais virtuoso não pode estar totalmente seguro que não esteja prejudicando alguém, o mais sábio não pode ter certeza que nunca comete um erro, e os mais poderosos reconhecem fatos incontornáveis da condição humana e aconselham humildade genuína diante deles. Os Alcoólicos Anônimos têm uma excelente definição clássica de humildade: “sinceridade máxima, levada ao extremo”.³

A essência da vida cristã é a humildade. Ela constitui uma visão correta de si mesma. Nas palavras de R. A. Emmons: “Ser humilde não é ter uma baixa opinião de si mesmo, é ter uma exata opinião de si. Assim sendo, humildade deve ser abordada em termos de uma rigorosa autoavaliação. O filósofo francês Comte-Sponville (2001) sugeriu que humildade deveria ser pensada como a “ciência do self”, pois ela surge de um entendimento confiável entre os pontos fortes e fracos do eu. Desta forma, humildade é uma consciência de tudo o que é e tudo o que se não é. Se as pessoas desejam praticar realmente a vida cristã, elas deveriam amar a verdade mais do que si mesmos, uma vez que todo conhecimento é um ferimento ao próprio ego.


1 Aproximadamente 50% da população vive em centros urbanos. As previsões para 2030 indicam
que 5 bilhões de pessoas, ou 60% da população mundial será urbana.
2 Ralph McInerny, Ethica thomistica: A Filosofia Moral de Thomas Aquinas,
revista Ed. (Washington, DC: imprensa da Universidade Católica da América, 1997), 66.
3 Manning, Confiança Cega - Págs. 132, 133
4 Emmons, 1998, p. 33
Rubens Muzio

Rubens Muzio

Rubens Muzio é missionário Sepal, Pastor da Igreja Presbiteriana de Vila Judith, Londrina e coordena o Projeto Brasil 21.
Pastoreou em São Paulo e no Canadá por mais de 10 anos. Leciona disciplinas na área de Teologia Prática: Liderança, Desenvolvimento e Gestão Ministerial, Plantação e Crescimento de Igrejas, Missões Urbanas e Espiritualidade integral.
Visite rubensmuzio.org e saiba mais sobre o missionário e seu projeto.
Rubens Muzio

Últimos posts por Rubens Muzio (exibir todos)

Categorias: Artigos, BLOG SEPAL