Pastor chinês de igreja demolida se recusa a curvar-se às autoridades: “É claro que estamos com medo, mas temos Jesus”

Pastor chinês de igreja demolida se recusa a curvar-se às autoridades: “É claro que estamos com medo, mas temos Jesus”

Um pastor cuja igreja foi demolida pelas autoridades chinesas e também teve que pagar pelos custos relacionados à demolição, expressou sua fé inabalável em Deus apesar da perseguição.

O jornal The Guardian relata que, em setembro, as autoridades demoliram a Igreja de Sião em Pequim, uma das maiores congregações não-oficiais do país. O pastor Jin Mingri, que pregou lá todos os domingos durante décadas, recebeu uma conta de 1,2 milhão de yuans (133 mil libras) pelos custos relacionados.

Jin disse à agência de notícias que a demolição da igreja era parte da maior repressão do presidente chinês Xi Jinping à religião no país.

“Antes, desde que você não se metesse na política, o governo o deixaria em paz”, disse ele. “Mas agora, se você não forçar a linha do Partido Comunista, se não demonstrar seu amor pelo partido, será um alvo.”

Ele acrescentou: “É claro que estamos com medo, estamos na China, mas temos Jesus”.

Câmeras de vigilância

Segundo relatos, a congregação de 1.500 membros foi fechada após se recusar a instalar câmeras de vigilância em seu santuário ou se registrar como uma igreja oficial do Movimento Patriótico dos Três Autos (TSPM).

“A igreja decidiu que isso não era apropriado”, disse Jin à Reuters.

Após a recusa da igreja, as autoridades de segurança do Estado e a polícia começaram a perseguir os fiéis, mesmo contatando seus locais de trabalho e pedindo-lhes que prometessem não ir à igreja.

“No domingo, o escritório de assuntos civis do distrito de Chaoyang disse que ao organizar eventos sem se registrar, a Igreja estava quebrando regras que proibem reuniões em massa e que agora estão ‘legalmente proibidas’, e seu ‘material promocional ilegal’ foi confiscado”, informou a agência de notícias.

A China Aid relata que igreja de Sião “decidiu que não será influenciada pela proibição e, ao contrário, realizará serviços ao ar livre”.

“As igrejas continuarão a se desenvolver. Bloquear os sites só intensificará os conflitos”, disse Jin.

Controle do Estado

Bob Fu, presidente do grupo de defesa China Aid, disse anteriormente que as autoridades estão aplicando as regras que exigem o registro como igreja da TSPM, a fim de exercer maior controle sobre as ideologias. Ele disse que a comunidade internacional deveria estar “indignada e alarmada” com a perseguição aos cristãos.

“A repressão maciça contra milhares de igrejas em Henan [província] e o fechamento forçado e total da maior igreja doméstica em Pequim, a Igreja de Sião, representa uma escalada significativa na repressão do presidente Xi [Jinping] contra a liberdade religiosa na China “, disse Fu em um comunicado. “Agora que o Partido Comunista Chinês começou a queimar Bíblias e a coagir milhões de crentes na fé cristã e outras minorias religiosas a assinarem uma promessa por escrito de renunciar às suas crenças religiosas básicas, a comunidade internacional deve ficar alarmada e indignada com essa violação flagrante da liberdade de religião e crença e exigir que o regime chinês pare e corrija esse caminho perigoso “.


Fonte e imagem: www.gospelherald.com
Adaptação: Paulo Ribeiro